Revitalização do Mercado

Com ruas mais limpas, sinalizadas, iluminadas e sem moradias inadequadas, o Mercado São Sebastião inicia o processo de revitalização apoiado pela Prefeitura do Rio. 

O Mercado São Sebastião, por décadas, passou por muitas dificuldades, principalmente devido ao abandono dos agentes públicos, resultando em um processo árduo de desvalorização do local. Considerado um dos maiores polos empresariais do Rio de Janeiro, principalmente devido à fácil localização e a capacidade para agregar os maiores atacadistas do Estado, o local recentemente começou a respirar mais aliviado, graças a uma iniciativa da Prefeitura do Rio, juntamente com a Bolsa de Gêneros Alimentícios do Estado do Rio de Janeiro (BGARJ), a Fundação Getúlio Vargas (FGV) e os empresários locais, que iniciaram um projeto de revitalização da área.

revit(3)

Comunidade carente que existia na área

Em 2010, iniciou-se o projeto de revitalização do Mercado. Entre as medidas programadas para a reurbanização estava a recuperação viária da Avenida Guanabara, com a criação de um acesso direto para a Rodovia Washington Luís, rumo à região serrana e ao litoral norte do país. Na vertente econômica, a despeito da forte vocação da área de 1 milhão de metros quadrados para atividades de logística, um estudo sobre o potencial de desenvolvimento ampliou este foco e pretende contribuir para a recuperação e ocupação dos 300 galpões que foram sendo abandonados, na esteira do esvaziamento político e econômico do Rio.

No campo social, foi desenvolvido um programa habitacional, já executado, para as famílias que moravam precariamente no entorno do Mercado. As instituições envolvidas no projeto também trabalham na criação de um centro de cidadania com a oferta de múltiplas políticas públicas destinadas à população de toda a região. Completa a sustentação da proposta o pilar ambiental, com ações planejadas de educação para o meio ambiente e a implantação de rede de água e esgoto para todas as instalações do Mercado São Sebastião.

revit(7)

Centenas de famílias receberam as chaves dos novos apartamentos em Santa Cruz.

Apartamentos em Santa Cruz

As 326 famílias que moravam inadequadamente no Mercado São Sebastião receberam da Secretaria de Habitação um imóvel em Santa Cruz. Mas este processo durou muitos anos até ser realmente executado. A BGARJ, que tem como diretor-presidente José de Sousa e Silva, há quase duas décadas luta para que o local seja recuperado e que estas famílias possam ter um local digno para viver. Durante este período, vários cadastramentos de famílias foram realizados pela Secretaria, mas o sonho da casa própria ainda não havia se tornado realidade.

Cerca de 326 Famílias que moravam inadequadamente na área receberam novas moradias em Santa Cruz.

Cerca de 326 Famílias que moravam inadequadamente na área receberam novas moradias em Santa Cruz.

A Bolsa não desistiu e sempre cobrou da Prefeitura do Rio as mudanças necessárias no Mercado. E, finalmente, este ano, através da atual gestão do Prefeito Eduardo Paes, elas estão sendo feitas. Com o recadastramento das famílias finalizado, foram realizadas, nos dias 11 e 18 de abril e 11 de maio, reuniões com as famílias beneficiadas pelo programa no Auditório do 6º andar da Bolsa, com aproximadamente 300 pessoas. A subgerente da Secretaria de Habitação, Maria Helena Salomão, esteve à frente das reuniões e explicou o passo a passo da mudança da comunidade para Santa Cruz. As principais preocupações dos novos moradores eram: escola, condução para o trabalho e o condomínio. Segundo a Secretaria de Habitação, as únicas taxas a serem pagas pelos novos moradores seriam a água, luz e o condomínio, que não ultrapassaria o valor de R$ 50, dependendo dos serviços escolhidos pelos condôminos de cada complexo. Os assistentes sociais explicaram algumas ações de cidadania que deveriam ser trabalhadas pelas famílias como: preservação do local, cuidado com a higiene (retirada de lixo, não jogar objetos pelas janelas), não perturbar a ordem comum (som alto, barulho, etc.), não pendurar varal nas janelas, etc.

Condomínio foram entregues através do Programa Minha Casa, Minha Vida.

Condomínio foram entregues através do Programa Minha Casa, Minha Vida.

No final do mês de abril, as famílias participaram de uma visita aos novos condomínios em Santa Cruz, organizada pela Prefeitura do Rio, A BGARJ, tendo o apoio dos empresários do local. Cerca de 10 ônibus levaram os novos moradores para conhecerem os apartamentos e os benefícios dos condomínios.

Ônibus levaram os moradores da comunidade carente para conhecerem as novas moradias.

Ônibus levaram os moradores da comunidade carente para conhecerem as novas moradias.

No dia 21 de abril, a Prefeitura do Rio entregou cerca de 1.343 imóveis em três empreendimentos do Programa Minha Casa, Minha Vida, em Santa Cruz. As famílias que foram reassentadas nos condomínios viviam em situação de risco ou inadequadamente, conforme as 326 famílias do Mercado São Sebastião – que receberam gratuitamente um imóvel no local. Com estes apartamentos, a Prefeitura totaliza cerca de 7.500 imóveis do programa entregues no Rio, em parceria com a Caixa Econômica Federal, para famílias de baixa renda.

Na ocasião, o secretário de habitação Jorge Bittar destacou que a entrega dos apartamentos significa qualidade de vida para os novos moradores. “São 1.343 famílias que irão ter suas casas próprias. Estamos entregando apartamentos de dois quartos, sala, cozinha, banheiro e área de serviço. Precisamos cuidar das famílias que mais necessitam para que elas não precisem morar na beira dos rios, em áreas alagadas ou em casas precárias. Temos mais de 40 mil apartamentos sendo construídos na cidade do Rio de Janeiro. Precisamos que estes cidadãos tenham qualidade de vida. Assumimos um compromisso e a missão foi cumprida”, afirmou Bittar.

Foram entregues 421 imóveis no Residencial Coimbra, 453 no Residencial Almada e 469 no Residencial Aveiro, localizados respectivamente na Estrada dos Palmares 3935, 4245 e 4155. O Programa Minha Casa, Minha Vida, no Rio, atende a famílias com renda mensal de até R$ 5 mil, com prioridade, por parte da Prefeitura, para as que ganham até R$ 1.600,00, faixa que concentra a maior parte do déficit habitacional no país.

 

Ações de conservação do Mercado São Sebastião

Ações de conservação do Mercado São Sebastião

A Prefeitura do Rio, no mês de junho, através da Secretaria de Conservação e Serviços Públicos, realizou diversas ações voltadas para a conservação no Mercado São Sebastião. As ruas beneficiadas foram: Rua da Batata, Farinha, Alho, Alpiste, Arroz, Feijão, Milho,  Trigo, Soja, além da Avenida Guanabara.

A Coordenadoria Geral de Conservação (CGC) realizou serviços de recuperação asfáltica numa área equivalente a 2.732 m², com utilização de 213 toneladas de massa asfáltica, limpeza manual e mecânica de 297 metros de galerias de águas pluviais, de 36 metros de ramais de ralo, de 50 caixas de ralo e de 18 poços de visita. Também foi feita reconstrução de 36 caixas de ralo, três poços de visita e ramal de ralo, além de substituição de tampões.

As equipes da Coordenadoria de Operações Especial fizeram demolição de 526 imóveis irregulares do local, com retirada de 2.244 toneladas de escombros.

A Rioluz executou serviços de modernização de 289 pontos de luz em 12 logradouros do Mercado São Sebastião. A ação faz parte do programa Reluz, que faz substituição de lâmpadas de vapor de mercúrio por novas a vapor de sódio, com o objetivo de aumentar a luminosidade local e reduzir o impacto ambiental.